quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Corpo de Shimon Peres é velado no Parlamento israelense; enterro será amanhã

Da Redação com Agências

  Tamanho da Fonte Diminuir a fonte da matéria Aumentar a fonte da matéria
O corpo do ex-presidente de Israel e prêmio Nobel da Paz Shimon Peres, morto nesta semana aos 93 anos em decorrência de um acidente vascular cerebral (AVC), está sendo velado no Knesset, o Parlamento israelense, em Jerusalém.
Além da população local, que presta homenagem a Peres, estiveram presentes na cerimônia o mandatário israelense, Reuven Rivlin, o atual primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, além do ex-líder norte-americano Bill Clinton. O enterro será amanhã em Monte Herzl, em Jerusalém, e contará com a participação de diversas autoridades mundiais, entre elas dos presidentes Barack Obama, dos Estados Unidos, François Hollande, da França, e do premier da Itália, Matteo Renzi.
Esta deve ser a maior cerimônia funerária desde o enterro do ex-primeiro-ministro Yitzhak Rabin, ganhador do Nobel da Paz, que foi assassinado em 1995. Ele será enterrado nesta sexta-feira (30) ao lado do corpo do colega. Também estão enterrados em Monte Herzl diversos nomes importantes da história do país, como David Ben-Gurion, o primeiro líder de governo de Israel, e a ex-premier Golda Meir.
Trajetória
Nascido em 1923 em Wiszniew, na Polônia, Peres começou sua carreira política em 1941. Considerado um dos fundadores do Estado de Israel, ele permaneceu ativo no cenário político do país por quase sete décadas. Além de presidente, atuou como primeiro-ministro em mais de uma ocasião.
Em 1993, foi um dos responsáveis pelo Acordo de Paz de Oslo, pelo qual ganhou, junto com o então premier israelense Yitzhak Rabin e o líder palestino Yasser Arafat, o prêmio Nobel da Paz em 1994.
Presidente entre 2007 e 2014, Peres teve como um de seus últimos atos no cargo um encontro pela paz com o papa Francisco e o líder palestino Mahmoud Abbas no Vaticano.
C/AGÊNCIA BRASIL
MS

Petroleiros fazem mobilizações no Rio por aumento salarial

Do Setorial News - Energia

  Tamanho da Fonte Diminuir a fonte da matéria Aumentar a fonte da matéria
O Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ) organizou hoje (29) atos em diferentes pontos do estado como adesão às mobilizações de centrais sindicais e contra a proposta da Petrobras para o Acordo Coletivo de Trabalho de 2016.
Trabalhadores paralisaram as atividades até as 9h nos Terminais Aquaviários da Baía de Guanabara (Tabg), na Ilha do Governador, e marcaram protestos para a frente de prédios da Petrobras, como o Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), na Cidade Universitária da UFRJ, na Ilha do Fundão. Também foram convocados atos no Norte Fluminense e em Angra dos Reis.
Segundo a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), outros sindicatos de petroleiros do país também realizam atos nesta quinta-feira. Uma avaliação sobre o movimento deve ser feita ao longo do dia pela federação, que é contra a venda de ativos da companhia e reivindica a reposição da inflação e um aumento real de 10% do salário.
Reajuste de 4,97%
A Petrobras havia informado - por meio de nota divulgada na última terça-feira - que sua proposta de Acordo Coletivo de Trabalho é de reajuste de 4,97% sobre a tabela de Remuneração Mínima por Nível de Regime para quem ganha até R$ 9 mil, e um acréscimo fixo de R$ 447,30 para quem ganha mais que isso. A empresa também pretende reduzir o acréscimo de 100% na remuneração de horas extras para 50% e propôs um plano de redução de jornada com redução de salários para o regime administrativo.
Segundo a empresa, está marcada para hoje uma nova rodada de negociações sobre o acordo coletivo, mas a discussão deve ser com a Federação Única dos Petroleiros (FUP), da qual não fazem parte a FNP e o Sindipetro-RJ. A FUP confirmou o encontro e disse que a negociação será transmitida ao vivo em seu site.
C/AGÊNCIA BRASIL
MS 

29/09/2016 - 10h39   29/09/2016 10:39:15

Eleições fecham áreas de lazer do Rio domingo

Da Redação

  Tamanho da Fonte Diminuir a fonte da matéria Aumentar a fonte da matéria
As áreas de lazer do município do Rio estarão suspensas, neste domingo (20), em virtude da realização do primeiro turno das Eleições 2016. A medida, publicada no Diário Oficial desta quarta-feira (29), foi tomada para garantir os deslocamentos e uma adequada mobilidade dos eleitores na cidade. Se houver segundo turno, no dia 30/10, a suspensão se repetirá.
Além disso, a Guarda Municipal e a CET-Rio atuarão com seu efetivo completo, priorizando a fluidez nos principais corredores de tráfego e agindo pontualmente nos locais onde há significativa concentração de eleitores, com o objetivo de minimizar eventuais impactos que possam vir a ocorrer no trânsito.
Os painéis de mensagens variáveis da CET-Rio informarão as condições de trânsito e passarão orientações sobre as melhores rotas, quando necessário.
Os guinchos serão posicionados em pontos estratégicos para rápido atendimento e desobstrução das vias em situações imprevistas, como pane em veículos, por exemplo.
O Centro de Operações Rio (COR) estará monitorando toda a cidade com câmeras, permitindo que os técnicos da CET-Rio façam ajustes na programação dos semáforos sempre que necessário, com o objetivo de garantir a melhor fluidez do trânsito.
A prefeitura recomenda aos eleitores que residem perto dos seus locais de votação que façam seus deslocamentos a pé ou de bicicleta. Para aqueles que estiverem distantes de seus locais de votação, é recomenda a utilização de transporte público coletivo regulamentado: BRTs, ônibus de linhas regulares, metrô, trem, VLT e barcas.
MS

Cidades publica mudanças em norma das obras do Minha Casa Minha Vida

Segundo as regras da nova faixa criada para beneficiar a classe média baixa, o desconto máximo dado no financiamento dos imóveis será de R$ 45 mil nas regiões metropolitanas

© DR
ECONOMIA INFRAESTRUTURAHÁ 1 HORAPOR
O ministro das Cidades, Bruno Araújo, publicou no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira, 29, mudanças em instrução normativa que regulamenta o Programa Carta de Crédito Individual, que, na prática, consiste em novas regras para a contratação de financiamentos da faixa 1,5 do Programa Minha Casa Minha Vida, conforme o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, antecipou nesta quarta-feira (28). Essa faixa é destinada a famílias com renda mensal de até R$ 2.350. A meta é contratar 40 mil novas moradias ainda em 2016.
PUB
Segundo as regras da nova faixa criada para beneficiar a classe média baixa, o desconto máximo dado no financiamento dos imóveis será de R$ 45 mil nas regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal. Para metrópoles da Região Sul, Espírito Santo e Minas Gerais, o desconto será de R$ 40 mil. Já para as regiões metropolitanas do Centro-Oeste (exceto DF), Norte e Nordeste, o desconto foi fixado em R$ 35 mil.
Como o Broadcast também antecipou, o subsídio maior será dado apenas às famílias com renda mensal de R$ 1,6 mil. Para os beneficiários que ganham acima desse patamar, o desconto será inversamente proporcional até chegar a R$ 15 mil. O valor dos imóveis financiáveis nesta faixa 1,5 pode ser de até R$ 135 mil nessas regiões. A maior parte do financiamento do programa virá do FGTS.
Nos casos de financiamentos contratados em áreas rurais, o desconto será destinado a famílias com rendimento mensal bruto limitado a R$ 1.833. Para famílias com renda de até R$ 1.416, por exemplo, será concedido desconto no valor de R$ 15 mil ou no valor equivalente a 50% do valor financiado, o menor deles. Com informações do Estadão Conteúdo.

Ibama nega recurso da Eletrobras para retomar licenciamento da usina de Tapajós

Da Redação com Agências

  Tamanho da Fonte Diminuir a fonte da matéria Aumentar a fonte da matéria
O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) negou hoje (28) o recurso apresentado pela Eletrobras para que fosse retomado o processo de licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica São Luiz do Tapajós, no Pará, que havia sido arquivado pelo Ibama no mês passado. Depois do arquivamento, a Eletrobras apresentou um último recurso ao órgão ambiental tentando retomar a análise ambiental do empreendimento.
Em ofício ao presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, a presidente do Ibama, Suely Araújo, diz que há impedimentos legais e constitucionais ao licenciamento ambiental do empreendimento por causa da necessidade de remoção das aldeias indígenas na região. “Entendo que, enquanto não solucionada pelas autoridades legalmente competentes a controvérsia acerca de demarcação e do respectivo perímetro da terra indígena em questão, não há como dar seguimento ao processo de licenciamento do empreendimento”, diz a presidente do Ibama.
O processo de licenciamento de Tapajós foi arquivado pelo Ibama no início de agosto por falta de informações nos estudos de impacto ambiental sobre os ecossistemas da região e os impactos socioeconômicos do empreendimento. A decisão do Ibama também considerou ofício da Fundação Nacional do Índio (Funai), indicando impedimentos legais e constitucionais ao licenciamento ambiental do empreendimento em razão do componente indígena.
“Nesse contexto, considerando a insuficiência dos estudos ambientais apresentados no âmbito do processo de licenciamento, a extrapolação do prazo para as complementações, bem como as pendências relacionadas ao componente indígena, indefiro o pedido de reconsideração/recurso administrativo interposto pelas Centrais Elétricas Brasileiras – Eletrobras”, diz o ofício do Ibama.
Depois do arquivamento do processo de licenciamento ambiental pelo Ibama, o governo decidiu que não vai levar adiante o projeto, pelo menos por enquanto. O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, disse que a ideia da construção da usina vai ficar suspensa e os estudos ambientais já feitos ficarão à disposição do país para outro momento.
Da Agência Brasil.
FA

Flamengo perde para o Palestino - 2 a 1 - e é eliminado da Copa Sul-Americana

Da Redação

  Tamanho da Fonte Diminuir a fonte da matéria Aumentar a fonte da matéria
Na segunda partida contra o Palestino (CHI), válida pelas oitavas de finais da Copa Sul-Americana, o Flamengo ficou a um gol da classificação e deu adeus à competição. Apesar do esforço no segundo tempo para buscar o empate, que seria o suficiente para o rubro-Negro carioca seguir para a próxima fase, o desempenho defensivo da equipe chilena prevaleceu sobre o ataque rubro-negro, mantendo o resultado de 2 a 1.
Agora o foco está de volta ao Campeonato Brasileiro. O próximo compromisso rubro-negro será no próximo sábado (01) contra a equipe do São Paulo. A partida será disputada no Morumbi, com bola rolando a partir das 16h.
Durante os primeiros trinta minutos de jogo, a equipe rubro-negra encontrou dificuldades para furar o bloqueio feito pelo Palestino. Pelo lado esquerdo, Fernandinho encontrava mais espaço para buscar a linha de fundo e tentar cruzamentos. No entanto, a zaga do Palestino manteve-se bem postada durante todo esse período, conseguindo afastar as jogadas perigosas construídas pelo Flamengo.
Aos 32 minutos da etapa inicial, Cereceda abriu o placar para o time chileno, aproveitando rebote de falta cobrada pelo meia Valencia. Na cobrança, o meia bateu com muita curva, acertou a trave, e a bola sobrou na entrada da pequena área, com o defensor tendo o trabalho de apenas empurrar a bola para o fundo do gol defendido por Alex Muralha. Nos acréscimos do primeiro tempo, em chute forte de longa distância, Valencia consegue ampliar a vantagem para os visitantes, levando a partida para o intervalo com 2 a 0 no placar.
No segundo tempo, o Flamengo ainda diminuiu a vantagem chilena com gol de pênalti de Alan Patrick aos vinte minutos, mas não foi o suficiente para a classificação do time carioca, que dá adeus à Copa Sul-Americana.
Após a partida, o técnico Zé Ricardo comentou o resultado:
- Não fizemos um bom primeiro tempo. Durante a preleção, tanto aqui quanto no Chile, fomos muito enfáticos em relação à qualidade da equipe deles. Demos muitos rebotes em lances bobos. De maneira geral, o Palestino foi melhor do que nós na primeira etapa, com mais equilíbrio na segunda. Preciso dar os méritos para eles, pois estiveram melhores que nós na maior parte dos dois jogos. Tirar uma vantagem de dois a zero não é fácil. Entramos para a segunda etapa bem melhor, mas a partir dos 30 minutos acabamos perdendo a força e a organização. Fico triste por termos sido eliminados. Por um lado, diminuirá o número de viagens, mas vínhamos nos preparando há algum tempo para lidarmos com elas tendo o menor prejuízo possível. Estávamos conseguindo fazer isso. Queríamos muito seguir em frente nessa competição, disse o técnico.
LAMENGO 1 X 2 PALESTINO
Local: Kleber Andrade, Cariacica (ES)
Árbitro: Diego Haro (PER)
Auxiliares: Braulio Cornejo (PER) e Víctor Ráez (PER)
Cartões amarelos: Rafael Vaz e Chiquinho (FLA); Torres e Cereceda (PAL)
Público: 12.626 torcedores
Gols: Cereceda, 32'/1° T (0-1); Valencia, 46'/2°T (0-2); Alan Patrick, 20'/2°T (1-2)
Flamengo: Alex Muralha, Pará, Rafael Vaz, Juan e Chiquinho; Márcio Araújo, Cuéllar (Mancuello, 10'/2°T) e Alan Patrick; Marcelo Cirino (Emerson, 15'/2°T), Fernandinho e Guerrero (Felipe Vizeu, 30'/2°T). Técnico: Zé Ricardo.
Palestino: González, Sierralta, Luna, Vidal e Cereceda; Carvajal, Farías, Mazurek e Torres (Rosende, 21'/2°T); Valencia (Oyarzún, 47'/2°T) e Benegas (Paredes, 44'/2°T). Técnico: Nicolas Córdova.
MS

Aposentados 27/9/2016 13:53:18 » Por Maurício Oliveira 

Ministério da Fazenda controla toda a Previdência Social





A Previdência Social está sob controle do Ministério da Fazenda. Essa concentração de poder a deixa amarrada aos caprichos de uma ditadura financeira.
Com total perda de autonomia, a Previdência Social não controla mais suas receitas para melhorar a cobertura dos benefícios sociais e potencializar sua arrecadação. O sistema fica também à mercê de uma equipe econômica que vai priorizar o corte de despesas e dificultar o acesso ás aposentadorias e pensões.
O diagnóstico do Governo é de que a Previdência Social é a responsável pela crise econômica do país. Isso não é verdade. Está mais do que provado que existem recursos suficientes no orçamento da Seguridade Social para financiar as políticas sociais de Previdência, Saúde e Assistência Social.
 É preciso mudar isso! A COBAP expressa publicamente sua indignação pelo fim do Ministério da Previdência Social e exige a cobrança e o recebimento dos devedores da Previdência Social.